[ editar artigo]

Os movimentos do mercado de luxo pós-pandemia COVID-19

Os movimentos do mercado de luxo pós-pandemia COVID-19

As estimativas até a pandemia trazia o mercado de luxo para patamares de crescimento, até diante de crises, como a que recentemente passamos no mercado brasileiro, por exemplo, antes do COVID-19.

Mesmo hoje já conhecendo os prejuízos do mercado de luxo em seus vários segmentos de negócios, como o exemplo da queda de 15% registrados no primeiro trimestre do ano mundialmente pelo grupo LVMH, os constantes movimentos deste setor, puxados pela China, responsável por 1/3 de todo consumo de luxo no mundo, já evidenciam o seu renascimento.

Por estar no topo da pirâmide de consumo, da mesma forma que foi um dos primeiros a assumir a pandemia e encerrar atividades nos países mais críticos, o mercado de luxo volta-se a se ressignificar com o novo normal.

Seguindo procedimentos de saúde rigorosos, o varejo físico já começa a ultrapassar níveis de 2019, segundo a consultoria McKinsey, na potência asiática, publicado pela revista VEJA no Brasil em maio de 2020.

Os canais digitais despontaram, e muito antes do que previa o mercado, agora passa a ser um dos mais eficientes, fazendo com que os pontos de venda físicos se reinventem mais rapidamente, assumindo outro papel, mais ligado a experiências e branding, como as que já encontrávamos nas flagships - lojas conceito e com tempo determinado, do mercado de luxo.

O digital também fez o mercado de luxo se atentar para a ascensão do big data, fazendo com que as áreas de marketing acelerassem suas estratégias de como personalizar ainda mais cada atendimento, realizado on e offline.

A personalização deve caminhar para o extremo, atentado-se para os fatos que englobam a vida dos clientes, como a compra de uma nova casa, a chegada de um cachorro na família, ou de filhos, como também as comemorações em datas festivas, que atraem o consumo e aproximam vendedores com mais verdade aos consumidores, chamados cada vez mais de embaixadores e advogados das marcas.

Leia mais: "Investir em imóveis tem destaque frente a diversidade de investimentos"

Tudo isso porque o movimento que se destaca e toma mais força é o de propósito, fazendo com que o consumo seja por significados e não mais por impulsos somente.

Esse comportamento transforma os embaixadores das marcas em defensores do que elas manifestam para o mercado em que estão, fazendo com que este mercado cada vez mais se sobreponha entre segmentos que o compõe, como moda e turismo, por exemplo, onde juntos assinam experiências buscadas por seus consumidores.

Os movimentos do mercado de luxo pós-pandemia COVID-19 inspira todos os outros por serem considerados exemplos e pioneiros em muitas frentes que buscam se diferenciar, por isso, atentar-se para eles é fundamental para que o posicionamento de diferenciação continue nas pessoas e negócios.

Procurar exemplos em forma que as marcas estão se comunicando com seus consumidores, é com certeza trazer inspirações para o dia a dia.

Reveja mais sobre o tema direcionado ao regionalismo como uma grande diferencial neste movimento, em matéria exclusiva na Jovem Pan News

 

Imagem Google.

Movimento TOPVIEW
Adriano Tadeu Barbosa
Adriano Tadeu Barbosa Seguir

Sou um comunicador que busca movimentos do Mercado de Luxo para diferenciar pessoas no Marketing Pessoal, desde 2006, com aprovações nacionais e internacionais e conteúdos em diversos formatos para mim e marcas que acredito.

Ler conteúdo completo
Indicados para você