[ editar artigo]

O paranismo como movimento regionalista do Paraná

O paranismo como movimento regionalista do Paraná

Paranismo foi um movimento regionalista do Paraná ocorrido entre as décadas de 1920 e 1930, conduzido por um grupo de intelectuais que procurava cultuar e divulgar a história e as tradições do Paraná, incentivando a construção de uma identidade regional, inspiradas no historiador Romário Martins, criador do termo de forma espontânea no norte do Paraná, datado de 1900, com a fundação do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná.

Foi assim que alguns símbolos, hoje reconhecidos mundialmente, foram enaltecidos como do estado do Paraná, como o Pinheiro, o Pinhão, a Erva Mate e a Gralha Azul.

Estes símbolos, de tanto serem usados para representar este estado brasileiro, na arquitetura, esculturas, pinturas, móveis e até na moda, fazem o regionalismo paranaense cunhado em elementos que representam seu povo, sua fauna e flora.

O início

 

A imagem acima traz uma página da revista "Ilustração Paranaense", veículo por excelência das ideias paranistas, definidas pelo historiador Romário Martins e desenhadas por João Turin e Lange de Morretes, datadas de janeiro de 1928. FONTE: poshistoria.ufpr.br

Na época, ainda início do século XX, o Brasil passava por movimentos que apresentavam seu modelo de progresso e modernização, configurando as transformações pretendidas pelas elites ao longo do século XIX para superar a Monarquia, lançando bases de uma identidade brasileira, ganhando destaque inclusive internacional por intelectuais e artistas que se manifestaram na semana da arte moderna, ocorrida em São Paulo entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922.

Lembrando que o Brasil foi declarado independente da monarquia em 15 de novembro de 1889, instalando-se no país o regime republicano, sete anos depois de ter se separado da monarquia portuguesa, em 7 de setembro de 1822.

Voltando ao paranismo, vale ressaltar que foi um movimento que não teve a consistência de um manifesto, de uma escola ou de uma estruturação teórica ou acadêmica. Foi principalmente através das artes plásticas que se procurou construir uma identidade regional do Paraná, para criar na população local um sentimento de pertencimento à terra", fonte UFPR.

Traços e características

O primeiro símbolo paranaense foi a bandeira, de autoria de Manoel Correia de Freitas.

Depois, os paranistas escolheram o pinheiro para representar o Estado do Paraná e como característica cosmopolita, que era ligado aos mitos da fundação da capital Curitiba, devendo-se aos bandeirantes paulistas que se fixaram na região do Atuba, construindo ali uma capela em homenagem a Nossa Senhora da Luz dos Pinhais.

A capela teria ligado os desbravadores aos índios Kaingang que habitavam o planalto que hoje constitui a cidade de Curitiba, tendo deles recebido o território marcado onde os brancos deveriam fundar sua povoação, a então vila de Curitiba, cujo nome deriva de curii, pinheiro, pinha, pinhão, acrescido do sufixo-tiba, que indica abundância.

Deste mito aos traços e características atuais, dos tempos de João Ghelfi, reconhecido como verdadeiro inspirador do estilo paranista, e João Turin, tido como o criador do estilo artístico paranaense, o regionalismo paranaense tomou contemporaneidade nas mãos do desenhista Poty Lazzarotto e do escritor Paulo Leminski, por exemplo, projetando-se ao futuro que marcará a cidade relembrando suas origens, como no lançamento imobiliário da construtora curitibana Laguna, chamado de Pinah, em resgate a terra dos pinhais.

                             João Turin  – 1928 – Fachada da casa do Dr. Bernard Leinig

                             Lançamento imobiliário Laguna  – 2020 – Pinah

 

Painel que ilustra este artigo retirado em 

https://docplayer.com.br/55417654-Uma-artista-entre-artistas-uma-questao-de-exposicao.html

Movimento TOPVIEW
Adriano Tadeu Barbosa
Adriano Tadeu Barbosa Seguir

Sou um profissional do pensamento e da prática, um comunicador que busca movimentos do Mercado de Luxo para diferenciar pessoas no Marketing Pessoal, desde 2006, com aprovações nacionais e internacionais e conteúdos em diversos formatos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você