[ editar artigo]

Movimento com especialista: A adaptabilidade para os médicos à telemedicina

Movimento com especialista: A adaptabilidade para os médicos à telemedicina

A vida médica se movimentou nestes tempos, não somente pelo volume excessivo de trabalho que os profissionais da saúde desempenham para salvar vidas, mas também pela adaptabilidade à telemedicina, que finalmente chegou para ficar.

Dou início a uma editoria por aqui com um assunto atual e que possibilitará ainda mais momentos saudáveis no futuro da humanidade.

O primeiro tema que ilustra o movimento com especialista é a telemedicina e a convidada é a médica Maísa Moraes, de Curitiba/PR.

A aceleração de um movimento 

O texto que regulamentou a operação no Brasil da telemedicina veio em março de 2020 às pressas pelo Ministério da Saúde para enfrentar a epidemia de coronavírus. 

Plataformas que já estavam se preparando para a liberação chegaram em abril com mais de 1200 atendimentos online por dia.

Desde que foi liberada a consulta por telemedicina, pelo menos 1,7 milhão de atendimentos já foram realizados, de acordo com dados compilados pela EXAME em setembro/2020.

"A telemedicina já vinha crescendo exponencialmente nos últimos anos. Mas a pandemia foi, sem dúvida, um catalisador. Com ela, o teleatendimento deixou de ser um algo a mais para se tornar uma ferramenta necessária, pois virou a única opção para muitas pessoas continuarem a ter um acompanhamento médico", observa Eduardo Cordioli, gerente médico de Telemedicina da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, para matéria ao portal UOL em setembro/2020.

Movimento que modifica toda uma área

Este movimento veio para modificar o mercado e não para somente realizar consultas. A tecnologia regulariza o fluxo de atendimento, direciona melhor os casos para os especialistas em tempo ágil e também chega a desafogar UTIs com robôs controlados à distância.

 “A saúde é um dos últimos setores a passar por uma transformação tecnológica, por isso é tão necessário que ela fique. Quando um consumidor pensa em mobilidade, alimentação ou serviços bancários, já olha para o celular. Na saúde, isso ainda não acontece”, afirma Carlos Marinelli, presidente do Fleury em matéria do portal Exame agosto/2020.

Entre os principais pontos da telemedicina estão a possibilidade de realizar consultas online e a emissão virtual de atestados e receitas médicas.

Para entender melhor este movimento e de certa forma como foi e está sendo a rotina dos médicos à possibilidade, conversei com a médica nefrologista e nutróloga Maísa Moraes, que vem se especializando em trabalhar a medicina preventiva, do estilo de vida, eficiência metabólica e performance.


Adriano Tadeu - Dra., como foi a adaptabilidade para você à telemedicina neste período?

Dra. Maísa Moraes - No nosso consultório já existia o uso de comunicação por WhatsApp ou Skype para acompanhamento de alguns tratamentos. Então, vamos dizer, já era uma ferramenta presente. Adaptamos seu uso para a consulta e no começo da pandemia percebi que a maioria dos pacientes não gostava da ideia. Poucos já viam os benefícios da comodidade logo de cara. Mas conforme o tempo foi passando, a ideia da consulta online foi sim ficando cada vez mais confortável para quase todos os pacientes. Eu, pessoalmente, prefiro a consulta presencial, parece que a tela distancia um pouco, e, dependendo do caso, esse pouco já é muito. É preciso construir um relacionamento de muita confiança e liberdade com o seu médico para que você possa deixá-lo diagnosticar.  E vejo que com o passar do tempo da pandemia os pacientes têm conseguido se adaptar a isso muitas vezes melhor que o médico. 

Adriano Tadeu - Como é o seu atendimento na telemedicina?
Dra. Maísa Moraes - Eu sempre começo a consulta agradecendo pela confiança do paciente e faço questão de explicar logo de começo que a consulta irá seguir o roteiro de uma consulta normal, exames presenciais são agendados e documentos e receitas são enviados em formato online, o que já tranquiliza o paciente. 

Adriano Tadeu - Aconteceram situações "engraçadas" nas telechamadas?
Dra. Maísa Moraes - Muitas. Risos. Conforme as pessoas foram se sentindo confortáveis com a ideia da consulta online, foi interessante e engraçado porque muitas vezes me recebiam no meio da sua rotina mesmo, sem muita cerimônia. Atendi pessoas de pijama, deitadas na cama dentro das cobertas. Atendi alguns no meio das refeições,  sendo atendidos enquanto almoçavam ou tomavam café, enquanto cuidavam dos filhos, em meio às suas famílias.  Atendi gente que separou o momento da consulta para tomar uma taça de vinho (me senti parte de um momento de relaxamento, especial, mas não dá pra exagerar, rs). Atendi uma vez uma paciente no meio da sua festa de aniversário,  ela não queria perder a consulta, então não desmarcou. Como o barulho era muito, ela foi para o banheiro e fizemos o atendimento de lá. Também aproveitei para dar bronca em paciente que acendeu um cigarro no meio da consulta. Aiaiai. Mas, em resumo, a consulta online tem suas peculiaridades, e em vários momentos se tornou uma experiência muito diferente e interessante. 

Adriano Tadeu - E sua visão para o futuro, neste formato, qual é?
Dra. Maísa Moraes - Incrível como se tornou uma opção que o paciente espera ter. O paciente já considera a opção do formato online se for mais oportuna a ele, e também, na maioria das vezes, compreende bem quando o profissional vai fazer o atendimento online. Essa semana mesmo atendi pela primeira vez presencialmente uma paciente que deu início ao tratamento no formato online durante a pandemia. E embora já tivéssemos nos conhecido, ficamos muito felizes em nos encontrarmos pessoalmente. Por isso, considero a ferramenta da consulta online muito bem-vinda, intercalada às consultas presenciais.

Adriano Tadeu - Você trabalha o rejuvenescimento, consegue fazer alguma associação com este novo momento pós-pandemia? 
Dra. Maísa Moraes - Acho que o período pós-pandemia já foi marcado pela necessidade tanto de uma medicina de alta complexidade, mais preparada, como pela importância da medicina preventiva sempre. A pandemia pegou a todos de surpresa.  Não será a última vez que isso acontecerá. Mas tenho a sensação que essa experiência reforçou a importância e a segurança que temos quando nossa saúde está regularmente bem.

 

Por fim, no movimento com especialista, a Dra. Maísa Morais ainda destaca que hoje a medicina e demais áreas da saúde devem funcionar em torno do paciente. Ser flexível no atendimento e tratamento conforme cada situação pode garantir uma adesão e sucesso ainda maior do tratamento proposto, sempre levando em primeiro lugar a segurança do indivíduo. Nada substitui a proximidade médico-paciente presencial, o toque do médico atencioso ao exame físico. Porém, a tecnologia está a favor do ser humano, para esses momentos, em que, na impossibilidade do presencial, ainda possa seguir acompanhando a trajetória daqueles que confiam nos médicos.

Conheça mais sobre o trabalho da especialista em 

https://www.instagram.com/maiclinica

Movimento TOPVIEW
Adriano Tadeu Barbosa
Adriano Tadeu Barbosa Seguir

Sou um comunicador que busca movimentos do Mercado de Luxo para diferenciar pessoas no Marketing Pessoal, desde 2006, com aprovações nacionais e internacionais e conteúdos em diversos formatos para mim e marcas que acredito.

Ler conteúdo completo
Indicados para você