[ editar artigo]

Brasil (re)descoberto EP 01 - Belém do Pará

Brasil (re)descoberto EP 01 - Belém do Pará

Na última semana dei início a uma websérie onde quero buscar (re)descobrir o Brasil, e, por ter proporções continentais, foi difícil escolher qual seria o primeiro episódio.

Parei e logo fui relembrar das minhas viagens pelo país conversando com arquitetos e profissionais da área junto à Bontempo, Arauco do Brasil e Líder Interiores.

Cheguei a Belém, capital do estado do Pará, em plena Amazônia, região norte do Brasil, a capital que mais me impactou até então, das 20 que conheço.

Seus mais de 400 anos de história (fundada em 12 de janeiro de 1616) fizeram com que as construções coloniais portuguesas às margens da Baía do Guajará e Rio Guamá fossem tombadas e até hoje admiradas - aos poucos sendo restauradas. O último grande ciclo econômico que trouxe expansão à região foi o da Borracha no século XX, e levou ao início da verticalização da cidade e um plano urbano atualizado a partir da década de 1940.

A cidade exerce significativa influência como metrópole regional, abrangendo mais de oito milhões de pessoas nos estados do Pará, Amapá e parte do Maranhão, seja do ponto de vista culturaleconômico ou político. Conta com importantes e históricas fortificaçõesigrejasmonumentosparques e museus, como o: Theatro da Pazmuseu Emílio Goeldiparque Mangal das Garçasmercado do Ver-o-Peso e eventos culturais e religiosos de grande repercussão como o Círio de Nazaré, todos com links para que conheça mais pela página do Wikipedia.

Mas esta é uma leve introdução do que realmente é possível encontrar nesta região e cidade, com características próprias e únicas, por isso, convidei o primeiro entrevistado desta temporada, Manoel Netto, natural de Belém do Pará, 29 anos, empresário e membro do comitê da UNESCO que elege cidades criativas ao redor do mundo que buscam desenvolvimento de maneira sustentável e de modo socialmente justo.

Você pode ler a matéria e assistir a entrevista que completa nossa (re)descoberta pelo Brasil, a começar por Belém do Pará. Vamos?

 

Selo renovado como cidade referência mundial em gastronomia pela UNESCO

Belém renovou o selo em 2020 como capital referência mundial em gastronomia pela UNESCO, junto com Belo Horizonte, Florianópolis e Parati, aqui no Brasil.

Seu selo renovado destaca pratos como pato no tucupi, maniçoba e tacacá, que deram fama à gastronomia local, assim como sucos, doces e sorvetes feitos com frutas amazônicas, como açaí, cupuaçu e bacuri

Pelo DNA da nossa gastronomia, e pela BDZ - Belém Design Zones, plataforma criativa de design da qual atuo como diretor executivo buscando realizar festivais urbanos e eventos corporativos, um case de sucesso já realizado foi um almoço 100% regional sobre a Casa Cor para 70 arquitetos em uma ilha e com presença de Giselle Martos do Lar doce Casa, regado à música e cheiro locais e sabores como a cachaça de jambu e os biscoitos de castanha do pará e de pupunha, comenta Manoel sobre uma de suas ações e atividades na cidade.

 

Ver-o-Pesinho

O empresário também está à frente como desenvolvedor, gestor comercial e executivo do Ver-o-Pesinho, o maior giftshop de Belém, uma loja onde ao adentrar o consumidor ja tem os 5 sentidos aguçados entre 40 marcas 100% regionais.

O Ver-o-Pesinho começou como uma solicitação da superintendência do Shopping que eu estava assinando o conceito de Círio do ano de 2018. Eles queriam que tivesse uma ação voltada para o turista como uma loja, um giftshop, um espaço de experiencia do Ver-o-Peso. Assim surgiu a primeira loja, pop-up, durou 30 dias, com 14 marcas locais. Depois, aumentamos a experiência no ano posterior para até o Natal, em uma terceira edição até o carnaval, até firmarmos contrato com o shopping para ficarmos com período indeterminado, elevando os pequenos produtores a um patamar de produto de boutique de shopping, relembra animado Manoel Netto o início do negócio.

A curadoria dele e de seu sócio atua desde o pricing e embalagem dos produtos até sugestões de sabores novos ou de criações de produtos diferenciados, sem nunca interferir de forma drástica e retirar a essência de cada produtor.

 

O valor do local e a Brasilidade

O estado do Pará e a cidade de Belém, principalmente, têm muitas referências portuguesas, africanas e indígenas.

Perguntado sobre exemplos do regionalismo da cidade e região, Manoel traz o cheiro do patchouli e da raíz da priprioca, e as músicas dor artistas Lucas Estrela, Manoel Cordeiro, Jaloo e Fafá de Belém. Todas disponíveis, gentilmente por ele, NESTA PLAYLIST da própria loja compartilhada.

Brasilidade para mim hoje, seria algo muito além do eixo Rio-SP. É algo com a cara da Amazônia, o maior bioma do mundo com o maior aquífero do mundo abaixo de Santarém-PA e que tem na sua localidade uma das cerâmicas mais antigas do mundo: as cerâmicas Marajoaras, datadas de 400-1000 d.c., defende Manoel.

Ainda em conversa sobre o tema regionalismo e brasilidade, ele cita grandes exemplos já reconhecidos mundo à fora por defender o design que é brasileiro como os irmãos Campanha, J. Matos, Sergio Rodrigues e Jader Almeida.

E defende que o que é preciso hoje é voltar a fazer o artesanal de cada região do país, seja nortista ou sulista, ser consumido e valorizado com orgulho, pois isso está ligado à gerações, à economia, à histórias que representam todo um povo.

Ele cita a expressão artística de Belém ser acima da média, com grandes nomes na fotografia, como Luiz Braga, na arte performática, como Berna Reale, e Roberta Carvalho, com suas projeções de imagens que chocam o mundo.

Temos que valorizar a expressão artística de um Pará contemporâneo, e também do seu passado, que perpetua com muito esforço e dificuldade hoje em dia: O fazer artesanal das cuias pretas, artefato preciosíssimo para todos nós na hora de tomar um bom tacacá; O fazer artesanal das cerâmicas marajoaras, que são reconhecidas internacionalmente e estão em museus consagrados como o próprio MASP; O fazer artesanal dos brinquedos de miriti, produção que move o povo de uma cidade inteira como Abaetetuba-PA; E os trançados de Arapiuns, que devem também ser 100% valorizados como uma forma de fazer artesanal para toda uma comunidade na região do Tapajós, em Santarém-PA.

 

Conheça mais

Para conhecer mais esta região do Brasil e ter mais exemplos citados na entrevista ou (re)descobertos por você, acompanhe as redes sociais abaixo:

https://www.instagram.com/manoelfsnetto/

https://www.instagram.com/belemdesignzones/

https://www.instagram.com/veropesinho/

 

E também as minhas em @adrianotadeubarbosa para que dia a dia possa comigo trocar referências, direcionar olhares e sentir este momento.

Juntos vamos mais longe, e até o próximo episódio.

Movimento TOPVIEW
Adriano Tadeu Barbosa
Adriano Tadeu Barbosa Seguir

Sou um profissional do pensamento e da prática, um comunicador que busca movimentos do Mercado de Luxo para diferenciar pessoas no Marketing Pessoal, desde 2006, com aprovações nacionais e internacionais e conteúdos em diversos formatos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você